Fibromialgia é mascarar sua síndrome do túnel do carpo?

Comorbidades na síndrome do nervo espasmódico e encarceramento em pacientes fibromiálgicos: um possível gerador de dor neuromuscular.

ABSTRATO

Este trabalho tem como objetivo investigar se a disfunção periférica no nível neuromuscular pode representar um gerador de dor na fibromialgia. Estudamos a prevalência de espasmofilia (SP), síndrome do túnel do carpo (STC) e neuropatia ulnar no cotovelo (UNE) em um grupo de 40 indivíduos que sofrem de fibromialgia.

Dados clínicos e eletrofisiológicos foram obtidos para verificar se as condições comórbidas estavam presentes. Para avaliação subjetiva da gravidade dos sintomas, os questionários validados para STC e UNE foram preenchidos pelos pacientes. Vinte sujeitos foram positivos para SP (50%); CTS foi diagnosticado em 12 indivíduos (30%); nenhum paciente sofreu da UNE; 6 sujeitos foram afetados ao mesmo tempo por SP e CTS (15%); 14 indivíduos (35%) foram afetados por SP sozinho.

A prevalência de STC e SP foi maior nos indivíduos com fibromialgia do que na população geral. Os escores dos questionários relacionados à STC foram significativamente maiores nos sujeitos com fibromialgia positivos para STC, com relação aos demais sujeitos. Na fibromialgia, a STC e a SP podem ser consideradas entidades clínicas em si, cuja importância está em atuar como geradores de dor periférica que potencializam ou iniciam a sensibilização central, contribuindo para a dor crônica generalizada.

A amplificação da dor é de fato uma mensagem corrigível / mal orientada que ocorre dentro do cérebro dos indivíduos com fibromialgia e a identificação e o tratamento local dos geradores de dor diminuiriam a carga total de dor. A magnitude da sobreposição de sintomas entre fibromialgia e STC / SP exige uma investigação cuidadosa dessas condições.

Texto completo disponível  aqui .

Fonte:  Ginanneschi F, Filippou G, Adinolfi A, Di Sabatino V, Frediani B, Rossi A. Spasmophilia e comorbidades da síndrome do nervo armadilha em pacientes fibromiálgicos: um possível gerador de dor neuromuscular. Reumatismo.  2018 20 de dezembro; 70 (4): 251-256. doi: 10.4081 / reumatismo.2018.1079.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *